Mês do Orgulho LGBTQ

por jun 8, 2020Blog, Extras4 Comentários

Como algumas pessoas devem saber, no mês de Junho é comemorado o Orgulho LGBTQ, usando a palavra “Orgulho” para servir de antônimo à “Vergonha” que a maioria da população LGBTQ é ensinada sentir por serem quem são desde a sua infância. Servindo para lembrar que nunca jamais devemos nos envergonhar de quem nós somos e muito menos ter medo de ser você mesmo. 

A equipe do Runeterra RPG, para participar desse evento, decidiu que seria interessante explicar melhor o por que ela ocorre e, graças ao nosso artigo do Dia Internacional Contra a LGBTQfobia, pudemos perceber que muitas pessoas ficar curiosas para entender melhor sobre os termos e sexualidades usados de maneira cada vez mais frequente em nosso dia a dia.

Apenas uma curiosidade antes de começar a me aprofundar no artigo, a imagem de cabeçalho se trata de um Veterano gay Noxiano! Deem uma olhada na descrição da Carta do Legends of Runeterra:

“Ele voltou da guerra à beira da morte e só sobrevivou graças ao amor do marido e aos bálsamos do boticário. Noxus fez de tudo para garantir os valiosos conselhos dele após se aposentar da batalha”

Por que esse evento é comemorado no mês de Julho?

Devido à Revolta de Stonewall, algo que iniciou no dia 28 de Junho de 1969 em um bar gay de Nova Iorque chamado Stonewall Inn e acabou durando por 5 dias seguidos. Esse dia marcou a cidade e o mundo como um marco histórico da luta pelos direitos LGBTQ, e que deu início à criação da Frente de Libertação Gay dos Estados Unidos e pouco tempo depois a Aliança de Ativistas Gays.

Um ano após essa revolta foi feita a primeira marcha do Dia da Libertação e anos depois evoluindo para se tornar o mês do Orgulho LGBTQ como conhecemos hoje.

Stonewall Inn

No ínicio da década de 60, nos Estados Unidos, a relação entre duas pessoas do mesmo sexo era considera crime até o ano de 1962 a lei se manteve. Após essa data, diversos estados já haviam abolido essa lei, porém o estado de Nova Iorque a manteve, sem intenções de derrubá-la. Vale lembrar também, que nessa época existia um código de “vestimenta adequada” para seu gênero, em que você deveria ter pelo menos 3 peças de roupas “adequadas” para seu gênero.

Como o único bar abertamente gay em um estado em que a homossexualidade era crime, seria natural que a polícia local fechasse o estabelecimento certo? Seria, porém o Stonewall pertencia à uma familia de mafiosos que pagavam uma alta propina à policia de Nova Iorque. O bar não possuía licença para venda de bebidas alcoólicas, não possuia nenhuma saída de emergêcia e não se adequava às exigências sanitárias legais, além dos frequentadores do bar serem cobrados excessivamente pelas bebidas sendo ameaçados à serem “tirados do armário” para suas famílias. 

Além de tudo isso, haviam diversas batidas policiais no bar em que eles levavam algumas pessoas presas por estarem usando a roupa do gênero oposto ou clientes sem documentos de identificação.

Com todos esses contras, o Stonewall não parece um dos melhores lugares para ter se frequentado na época, mas então por que as pessoas continuavam frequentando o bar? O motivo é bem simples, era um dos únicos lugares em toda a cidade em que elas podiam demonstrar afeto pelas pessoas do mesmo sexo e se vestirem da maneira que elas achassem adequadas para elas.

Nas primeiras horas do dia 28 de junho de 1969 a polícia invadiu o local, com os clientes e funcionários acreditando que seria mais uma das batidas comuns… eles não podiam estar mais enganados. Como procedimento padrão, as saídas do bar foram fechadas, as luzes acesas e a música desligada, mas quando tentaram alinhar os clientes, conferir seus documentos e separar os “vestidos de mulher” para policiais mulheres pudessem verificar o sexo dessas pessoas não ocorreu como esperado da parte da polícia. 

Alguns dos clientes do estabelecimento naquela noite se negaram à serem “conferidos”, logo a decisão inicial da polícia foi de levar a maioria dos presentes para a delegacia. A reviravolta nessa noite foi a reação dos frequentadores e vizinhos do bar, enquanto pessoas eram encaminhadas às viaturas, uma multidão se aglomerou em frente ao bar, arremessando moedas e garrafas nos policiais, e uma das pessoas na multidão ateou fogo no local onde os policiais estavam.

Logo a revolta tomou outra proporção, ainda mais pessoas se juntando aos manifestantes e mais viaturas chegando ao local. Com o tempo a polícia conseguiu dispersar a multidão, mas isso não durou por muito tempo, no dia seguinte o bar foi reaberto, mas dessa vez uma multidão estava do lado de fora e nos quarteirões em volta do bar… já que não podiam demonstrar afeto e serem quem eram dentro de um espaço fechado, começaram a sair às ruas casais homosexuais, transexuais e Drag Queens, demonstrando carinho um pelos outros.

A polícia teve de agir para impedir essa “falta de vergonha”, com diversas pessoas sendo presas, as pessoas protestando por essa ação injusta da polícia começou a zombar dos policiais, cantando, dançando e se beijando na frente deles. 

Milhares de pessoas participaram desses protestos, fazendo com que essas ações seguissem até o dia 1º de Julho. Essa foi a primeira vez em que um número tão grande de homosexuais e transexuais se juntaram pela luta de direitos iguais. 

Exato um ano depois, foi organizado pela Frente de Libertação Gay (tradução livre) a primeira parada gay em diversos estados do EUA, e pouco tempo depois no mundo inteiro. Por causa desses acontecimentos em muitos lugares no mundo inteiro as Paradas de Orgulho LGBTQ são comemorados no mês de Junho e também é o que definiu Junho como o Mês do Orgulho LGBTQ.


Identidade, Expressão de Gênero e Orientação Sexual

Existem alguns termos que serão utilizados mais para frente que precisam ser explicados previamente, tentarei explicar da maneira mais simples possível para um maior entendimento de todos.

Binaridade de Gênero

Desde cedo somos ensinados que existem apenas 2 gêneros, o masculino e feminino, esses dois juntos formam o termo de Binaridade de Gênero. Porém, desde o ínicio, isso é apenas uma construção da humanidade para facilitar na segregação de gênero.

Com o avanço da psicologia e com mais pessoas não se conformando com apenas essa binariedade, foram sendo “criados” mais termos para abranger a gigantesca variedade de gêneros existente.

Identidade de Gênero

Ao nascer somos designados com o nosso Sexo Biológico, sendo ele masculino ou feminino, conforme nos desenvolvemos como pessoas, percebemos que podemos ou não nos identificar com nosso Sexo Biológico. Uma pessoa que se identifica com seu Sexo Biológico é considerada uma pessoa Cisgênera (ou apenas Cis), o que é o meu caso, porém, uma pessoa que não se identifica com seu Sexo Biológico é considerado uma pessoa Transgênera (ou apenas Trans), estando dentro ou fora da binaridade de gênero.

Orientação Sexual

Sabendo sua Identidade de Gênero você saberá dizer qual à sua Orientação Sexual, ou seja, o gênero em que você se sente atraída sexualmente. Usando os prefixos básicos bi, hétero e homo, podemos definir algumas nomenclaturas baseadas na binaridade de gênero, como por exemplo, uma pessoa atraída sexualmente por ambos os gêneros é uma pessoa Bissexual, alguém atraído apenas pelo gênero oposto é uma pessoa Héterossexual, enquanto uma pessoa atraída apenas pelo mesmo gênero é uma pessoa homossexual.

Além da Orientação Sexual, também existe a Orientação Romântica, que dita o gênero em que dita o gênero em que você se sente atraído romanticamente. Isso quer dizer que, independente da sua Orientação Sexual, você pode não sentir uma atração afetiva por uma pessoa de um gênero específico. Assim como a Orientação Sexual, as nomenclaturas são extremamente parecidas, apenas alterando o sufixo, por exemplo, Birromântico, Heterorromântico e Homorromântico.

Perceba que em nenhum momento estou falando sobre ser Cis ou Trans, pois independente da pessoa em que você se sente atraída ser Cis ou Trans, não irá alterar sua Orientação Sexual ou Romântica. E, mais uma vez, essa explicação é baseada apenas na Binaridade de Gênero, e mais para frente nesse artigo irei explicar mais sobre os Panssexuais e Panrromânticos.

Muita gente não concorda com a separação de Orientação Sexual e Romântica, pois acreditam que complica ainda mais o entendimento de quem não tem conhecimento tão aprofundado no assunto, porém eu acredito ser importante saber que existe essa separação.

Expressão de Gênero

Agindo separadamente da Orientação Sexual, existe a Expressão de Gênero, onde diz se você demonstra publicamente como seria “de acordo” com a sua Identidade de Gênero, através de roupas, acessórios, maneirismos e comportamentos. 

De novo, falando sobre a Binaridade de Gênero (isso tá basicamente em todo lugar), se define qual sua expressão, sendo elas Feminina, Masculina e Andrógina (falarei sobre mais a frente nesse artigo).

Também existe a Expressão de Gênero Neutra, ou seja, que não está “de acordo” nem com o gênero Feminino ou o Masculino.a


A Sigla LGBTQ

Durante o Dia Internacional Contra a LGBTQfobia nós lançamos um artigo para demonstrar o apoio do Runeterra RPG com a Comunidade LGBTQ. Nesse artigo, eu falei um pouco sobre as bandeiras utilizadas pela Riot Games para fazer seus novos ícones Poros Arco-Íris, porém ele não era muito aprofundado, pois não era o momento para isso.

Aqui eu irei me aprofundar um pouco mais sobre o significado dos movimentos abraçados pela sigla LGBTQ, nessa seção vou falar sobre o significado direto das letras dentro da sigla, porém existem muitos outros movimentos abraçados pelo movimento LGBTQ.

Como a maioria dos termos dentro do LGBTQ são de fácil conhecimento (com exceção de Queer) não pretendo explicar exatamente quem são, mas sim a origem da palavra e dos problemas que elas sofrem dentro e fora do movimento.

Lésbicas

Basicamente, as mulheres lésbicas são mulheres que sentem atração por outras mulheres, ou seja, são mulheres Homossexuais.

As lésbicas possuem muitos problemas na sociedade num geral, sendo muitas vezes tratadas como fetiches para homens cis héteros, como se fossem um “prêmio” a ser conquistado, enquanto como todos os outros movimentos dentro da sigla são ofuscados pelo movimento Gay.

A origem da palavra vem do grego Lesbos, uma ilha na grécia onde nasceu uma poetisa extremamente famosa entre os gregos, o nome dela era Safo, até onde se sabe foi a primeira mulher a escrever sobre o amor e sexo entre mulheres, apesar de ter também se relacionado com homens.

Por questões políticas Safo foi exilada para a Sicília, porém para retornar a capital de Mitilene ela inaugurou uma escola para mulheres, onde ensinava poesia, música, dança e a emancipação social das mulheres.

Algumas mulheres famosas que se assumiram lésbicas publicamente são Carol Duarte, Daniela Mercury, Ellen DeGeneres, Maria Gadú, entre muitas outras.

Gays

Assim comos as Lésbicas, os gays são homossexuais também, homens que sentem atração por outros homens, não tem como ser mais direto do que isso.

Uma curiosidade é que o termo “gay” originalmente significava “alegre”, mas com o passar dos anos o termo foi ganhando novos significados, no século 18 era utilizado como sinônimo de “imoralidade”, no século 19 passou a ser usado para se referir à prostitutas e à homens que “ficavam” com muitas mulheres, mas ainda assim era utilizado para falar sobre pessoas alegres.

Foi à partir do século 20 que começou a ser utilizado para falar sobre homens homossexuais, na década de 1920 alguns homens já se referiam a si mesmos como gays, mas foi somente alguns anos depois que começou a ser utilizado pela maioria para parar de utilizar a palavra homossexuais, mas ainda não era utilizado para se referir à mulheres lésbicas.

Mais recentemente, nos países falantes de inglês se tornou comum se referir à qualquer pessoa homossexual como “gay”, porém no Brasil essa prática é muito menos comum.

Alguns gays famosos que são assumidos publicamente são Brandon Flynn, Colton Haynes, Miguel Falabella, Marco Nanini, Neil Patrick Harris, Sam Smith, Troye Sivan entre muitos outros.

Bissexuais

Bissexuais, para ser bem direto ao ponto, são pessoas que se sentem atraídas pelos 2 gêneros da binaridade de gênero, ou seja, masculino e feminino, independente de ser cis ou trans.

Assim como eu já escrevi sobre no artigo do IDAHTB mas que continua achando importante ressaltar, os bissexuais muitas vezes são tratados como pessoas “confusas”, que não sabem o que querem ou até mesmo que tem medo de se assumir, mas isso é apenas um discurso comum de Bifobia (sim, ela existe).

Esse discurso é comum tanto dentro quanto fora do movimento LGBTQ, o que causa muito incômodo para quem é bissexual, pois um local em que eles deveriam se sentir confortáveis também é um local em que sofrem preconceito. 

Muitas vezes, uma pessoa bi que esteja em um relacionamento gay é considerada apenas gay, ou estando em um relacionamento hetero é considerada apenas hetero, como se estar em um relacionamento específico anula a sexualidade do Bissexual.

Alguns famosos que se assumiram bissexuais são Angelina Jolie, Bella Thorne, Fergie, Freddy Mercury, Halsey, Kristen Stewart, Lady Gaga, Lauren Jauregui, Megan Fox, Rebecca Sugar, Shannon Purser.

Transgênero

Aqui já entra uma palavra não muito compreendido pelas pessoas, Transgênero é um termo guarda-chuva, servindo para designar qualquer pessoa que assumem um gênero que não corresponde com seu sexo biológico. Lembra lá em cima quando eu falei da Identidade de Gênero? Então, é aqui que ela é aplicada.

Diferente dos anteriores, Transgênero não se trata de uma orientação sexual, mas sim de uma identidade de gênero.

Um dos termos “embaixo do guarda-chuva” é o Transexual, como disse anteriormente uma pessoa Trans é aquela que não se identifica com o seu sexo biológico, podendo ser Homens e mulheres trans ou Não Binário (pessoas que não se identificam dentro da binaridade de gênero).

Mais um seria o termo Travesti, que muitas vezes é utilizado de forma errônea para se tratar de homens se vestindo de mulher, e isso muitas vezes pode ser considerado ofensivo, estarei falando sobre mais a frente.

As pessoas Transgêneros são provavelmente as pessoas que mais sofrem no meio LGBTQ, pois elas passam por diversas etapas de autoaceitação por causa de sua criação, tendo nascido e crescido sendo tratada por amigos, familiares e por toda a sociedade de acordo com seu sexo biológico.

Isso é uma das principais causas de pessoas trans demorarem a entender quem são, e muitas vezes confundindo seu gênero e sua sexualidade, por exemplo, uma mulher trans hetero, muitas vezes pode acreditar inicialmente que ela era na verdade um homem cis gay. Se você está achando tudo isso meio confuso, tente imaginar como é para essa pessoa entender tudo isso sozinha, pois raramente ela terá ajuda de alguém para isso.

Além disso, existem as pessoas Não-Binárias, que não se identificam com nenhum dos gêneros binários, ou seja, masculino e feminino, podendo não se reconhecer como nenhum gênero (Agênero) ou com qualquer outro gênero existente.

Recentemente, em 2016, foi aprovada a lei nacional para o uso de nome social para pessoas trans, onde que elas podem adicionar aos seus documentos o nome em que elas desejam ser chamadas logo abaixo do nome civil que só é utilizado para fins administrativos internos. E em 2018 foi aprovado que a alteração não necessita de autorização judicial, laudo médico ou comprovação de cirurgia de redesignação sexual.

Apesar dessa pequena “vitória” pela luta de direitos trans, ainda há muito a se trabalhar, ainda mais por que a expectativa de vida de uma pessoa trans é extremamente baixa, apenas 35 anos, isso se dando por causa de suicídio e homicídios pela falta de aceitação da sociedade.

Alguns famosos que são Transgêneros são Caitlyn Jenner, Chaz Bono, Laverne Cox, Lachlan Watson, Laerte Coutinho, Liniker, Linn da Quebrada, Thamy Miranda.

Queer

Esse é um termo pouquíssimo conhecido pela maioria, ele se trata de uma palavra proveniente do inglês para designar qualquer pessoa que esteja fora do padrão heteronormativo ou cisgênero. Para facilitar ainda mais o entendimento de todos, todos os termos falados anteriormente são pessoas Queer, mesmo tendo uma parte própria dentro da sigla LGBTQ.

Aqui estariam termos como Assexual, Crossdresser, Drag Queen, Drag King, Pansexual, Gênero Fluido, Andrógino e Demisexual, entre muitos outros.

O termo queer era originalmente um termo ofensivo, mas foi abraçado pela comunidade LGBTQ para ressignificá-lo para algo positivo.


Além da Sigla

Existem diversas variações da sigla LGBTQ, elas acabam sendo maiores por especificarem ainda mais os movimentos abraçados pela sigla. 

Um exemplo disso seria a sigla LGBTTTQIACDDPGAD, que de tão grande parece mais um erro de digitação, essa variação da sigla específica coisas a mais como os 3 T’s no começo como sendo “Transgênero, Travesti e Transexual”, que na menor é utilizado apenas um T para simplificação.

Assim como o Queer da primeira sigla abrangeria todas as outras conseguintes, que se tratam sobre expressões de gênero e outras orientações sexuais.

Existem outras variações da Sigla como LGBTQI+ e LGBTQIA+ (além de muitas outras), muitas vezes essas variações trazem opiniões diversas dentro dessa própria comunidade e de como seria o correto para se referir ao movimento.

Abaixo estarei comentando mais sobre alguns dos outros movimentos abraçados pela Sigla.

Intersexo

Pessoas Intersexuais são pessoas que sem nenhuma intervenção médica, possuem naturalmente características de ambos os gêneros masculino e feminino. Essas pessoas possuem mais de uma maneira de serem designadas com essas características, desde ter a genital fora do comum, ou por ter cromossomos XX e serem designados pelo gênero masculino ao nascer, ou ter os cromossomos XY e serem designados pelo gênero feminino.

É preferível que se utilize o termo Intersexual para se referir à essas pessoas do que o termo hermafrodita, pois diferente do que ele remete, pessoas intersex não são definidas apenas pela forma de suas genitais. Assim como qualquer outra pessoa, alguém Intersex pode ser uma pessoa Transgênera.

Apesar de estar dentro da comunidade LGBTQ, o Intersexo não se trata de uma Identidade de Gênero ou de uma Orientação Sexual, muito menos de uma Expressão de Gênero. O Intersexo se encaixa dentro do campo da biologia, ou seja, lembra do sexo biológico? O intersexo se trata de um terceiro sexo além do masculino e do feminino.

Assexual

Um erro muito comum é confundir uma pessoa assexuada com alguém assexual, existe uma diferença, Assexual se trata de pessoas que não tem interesse sexual ou possuem um interesse muito baixo, enquanto algo assexuado já faz parte do campo da biologia, onde um ser vivo não possui células sexuais distintivas.

Como eu já falei na publicação do IDAHTB, pessoas assexuais não necessariamente não sentem nenhuma atração sexual, apesar disso ser uma possibilidade, uma pessoa assexual pode sentir essa atração, porém ela é muito menor do que em outras pessoas ou acontece apenas em casos específicos.

Assexuais podem ser Românticos ou Aromânticos, que como eu expliquei anteriormente, possuem ou não uma atração romântica. Assexuais podem sentir uma atração sexual com pessoas que elas possuem uma atração romântica, essas pessoas são conhecidas como Demissexuais.

Existem muitas outras definições dentro da Assexualidade, caso você queira aprender mais sobre, recomendo acessar o seguinte site:

https://www.assexualidade.com.br

Crossdresser

Esse termo se trata de uma expressão de gênero, o Crossdresser ou Transformista parte do pressuposto da binaridade de gênero em que uma pessoa utiliza roupas e acessórios do gênero oposto, por quaisquer que sejam os motivos, desde satisfação pessoal, motivos profissionais ou para gratificação sexual.

O Crossdresser não define sua orientação sexual nem sua identidade de gênero, podendo ser qualquer pessoa, homem, mulher, cis, trans, hetero, homossexual, não binário, realmente isso não importa, apenas se trata da maneira que você gosta de se vestir.

Drag Queen

Um termo que vem sido cada vez mais conhecido com o passar dos anos devido à diversos fatores, desde o show de televisão Rupaul’s Drag Race à grande quantidade de artistas que vêm surgindo na mídia.

Drag Queen se trata de uma expressão artística definindo uma personagem, em que uma pessoa se caracteriza especificamente do gênero feminino, da maneira que achar mais adequado para a sua personagem, desde traços mais delicados à meios mais artísticos e exagerados.

Uma Drag Queen não necessariamente é feita por uma pessoa de um gênero específico ou de uma orientação sexual específica, porém é comum de ver uma Drag Queen que seja do meio LGBTQ por se tratarem de pessoas mais desconstruídas do padrão heteronormativo e cisgênero.

Eu, por exemplo, sou um homem cis gay que possui uma personagem Drag Queen com traços mais delicados, mas com uma personalidade um tanto quanto… questionável.

Alguns exemplos de Drag Queens famosas são Adore Delano, Aretuza Lovi, Gloria Groove, Lia Clark, Lorelay Fox, Pabllo Vittar, RuPaul, e muitas outras que vem ganhando cada vez mais espaço nas mídias

Drag King

Semelhante à uma Drag Queen, um Drag King se trata justamente do contrário, uma pessoa que cria um personagem necessariamente do gênero masculino. 

Também se trata de uma vertente artística, que assim como Drag Queen, qualquer pessoa pode ser um Drag King, independente de seu gênero ou orientação sexual.

Pansexual

A Pansexualidade é muito confundida com a Bisexualidade e vice-versa, por se tratarem de pessoas que sentem atração por mais de um gênero é muito comum de serem confundidas, enquanto a Bisexualidade é baseada na binaridade de gênero, a Pansexualidade está fora desse padrão, podendo abrangir pessoas Não Binárias, pessoas de gênero fluido ou Intersexuais.

Uma das frases mais comuns para se definir Pansexuais é algo como “Eu não vejo gênero, eu apenas amo”, demonstrando que não importa como uma pessoa se identifica ou expressa seu gênero. Muita gente acredita que por existir a Pansexualidade, automaticamente faria das pessoas bisexuais Transfóbicas, mas isso não é uma verdade, pois para bisexuais, independente da pessoa ser cis ou trans, ela ainda será do gênero masculino ou feminino.

Alguns dos famosos que se assumiram pansexuais são Brendon Urie, Bruna Linzmeyer, Ezra Miller, Janelle Monàe, Lachlan Watson, Miley Cyrus, Sia.

Andrógino

A Androginia se trata de dois conceitos, uma pessoa com características tanto masculinas quanto femininas, ou para falar de algo que não é nem masculino nem feminino.

Uma pessoa andrógina é aquela que possui características físicas e/ ou comportamentais de ambos os gêneros binários. Muitas vezes por conta desses traços é difícil definir o gênero de uma pessoa andrógina apenas pela sua aparência. Aliás, falando nisso, não é legal que você assuma o gênero de qualquer pessoa apenas pela sua aparência, por isso é interessante e até um bom costume a ser construído perguntar como você deve se referir à alguém que você está conversando.

Gênero Fluido

Entende-se como gênero fluido, alguém que não se identifica com apenas um dos gêneros, podendo se referir com ambos os gêneros binários ou nenhum ao mesmo tempo ou transitando entre eles.

As pessoas gênero-fluidas podem sentir a mudança de identidade a longo ou em curto prazo, entre anos, meses ou dias. Também é tratado como um sinônimo ao Gênero Não-Binário, ou à Androginia, porém nem todas as pessoas Andróginas ou Não-Binárias se vêem como Gênero Fluido.


Conclusão

Espero do fundo do coração poder ter esclarecido algumas dúvidas que surgiram, ou então apresentado algum aprendizado novo, lembrando que tudo foi escrito pensando em pessoas que não possuem nenhum envolvimento ou entendimento dos conceitos de sexualidade e identidade de gênero.

Acredito que sempre é importante buscar por novos conhecimentos, e que a maioria das pessoas preconceituosas apenas não possuem um entendimento correto do que se trata algo, acreditando que não seja “natural” ou que apenas tenha tido um conceito pejorativo e errôneo de um termo.

Abaixo deixarei alguns links para quem tiver maior interesse em se aprofundar nos assuntos abordados aqui.

Links Relacionados

LGBTQ Pride Month

Pride Month 2020

Movimento Lésbico

A importância dos termos “monossexual” e “bifobia” para o movimento bissexual

A invisibilidade bissexual dentro do movimento LGBTI+

Queer Theory

A Teoria Queer e a Sociologia

4 Comentários

  1. Gw

    Ao falar sobre o termo Queer e quais orientações estão englobadas por este termo, está incorretamente mencionado “assexuado”. O correto é “assexual” (como mencionado ao explicar a orientação assexual).

    Responder
    • Luke Nitole

      Muito obrigado por ajudar a corrigir, acabou passando batido na hora q fui rever.

      Responder
  2. Julio

    Muito esclarecedor. Não sabia que existia diferença entre transgênero e transsexual até então. Ainda tenho dúvidas em termos como andrógino x intersexual. Mas o artigo ajudou a aguçar a curiosidade.

    Responder
    • Luke Nitole

      Muito bom ler isso!

      Vou tentar esclarecer um pouco mais, imagine que além de masculino e feminino existe o Intersexo, algo biológico, um terceiro gênero que não é necessariamente definido apenas pelo que você tem no meio das pernas (apesar de tbm poder ser), ele vai um pouco mais à fundo, olhando para seus cromossomos e sua genitália, por exemplo, uma pessoa pode ter os cromossomos XX (oq geralmente define o gênero feminino) mas ter um pênis, ou o contrário, entende?

      Já a Androginia é algo mais visível, vou dar um exemplo bem besta e até um pouco ofensivo, mas é a maneira mais fácil que consigo pensar pra explicar, sabe aquelas pessoas que você passa na rua e não sabe dizer se é um homem ou mulher? Então, essas pessoas são andróginas.

      Espero ter ajudado.

      Responder

Deixe uma resposta

pt_BRPortuguês do Brasil
en_USEnglish pt_BRPortuguês do Brasil
%d blogueiros gostam disto: